Beatificação de padre Donizetti traz à tona milagres atribuídos ao sacerdote

A notícia de que o Papa Francisco reconheceu um milagre pela intercessão do padre Donizetti Tavares de Lima e o anúncio da Igreja Católica de que ele será beatificado trouxeram à tona muitas histórias de cura atribuídas ao ‘sacerdote de Tambaú’.

A devoção a padre Donizetti impressiona e todos os domingos a cidade de Tambaú recebe fies vindos de todos os cantos do País.

Muitos vêm para agradecer algum milagre que atribuem ao futuro beato, outros na esperança de serem atendidos pela intercessão de padre Donizetti.

Mas dois milagres sempre foram destacados em todas as histórias do sacerdote: o milagre da corrente e o milagre do menino Braguinha.

MILAGRE DA CORRENTE
Este fato ocorreu entre 1954 e 1955, quando Tambaú recebia grande multidão em busca da benção do padre Donizetti.

Mas um caso deixou muitas pessoas sensibilizadas: o de uma mulher que teria distúrbios mentais e ninguém a segurava.

Então, seus pais a acorrentaram e a levaram a Tambaú. Testemunhas dizem que ela gritava muito e não queria entrar na Casa Paroquial e a levaram até o padre Donizetti para abençoá-la, pois estavam desesperados.

Ao chegar perto do sacerdote, ele lhe deu a benção e em seguida pediu aos pais para que tirassem a corrente. Mesmo receosos, eles tiraram e a filha se acalmou e parou de gritar.
Desde então, a menina ficou curada e esse fato ficou conhecido como o ‘milagre da corrente’.

MENINO BRAGUINHA
O caso do pequeno José Alexandre Braga também teve grande repercussão no período de 1954 e 1955. O garoto, nascido em 22 de abril de 1950 na cidade mineira de Guaranésia, tinha 5 anos e era apelidado de Braguinha.

Quando criança, ele usava uma bota ortopédica, pois era portador de um processo agudo de articulação na coxa em uma de suas pernas, fazendo com que se locomovesse com aparelho.

Menino Braguinha: curado em meados da década de 1950, passou a andar; hoje ele tem 68 anos – (Foto: Divulgação)

Os médicos consultados pela família diziam que não tinha cura. Porém, um dia Braguinha acordou e disse para sua mãe que em Tambaú tinha um padre que ia fazê-lo andar. Mas sua mãe nunca havia ouvido falar da cidade e nem do padre milagreiro.

Coincidência ou não, na manhã seguinte, quebrou em frente à casa de Braguinha um caminhão ‘pau-de-arara’, de romeiros que estavam indo para Tambaú. Os fiéis viram o menino daquele jeito, conversaram com os pais, que concordaram, e foram todos para Tambaú.

Chegando lá, padre Donizetti deu a bênção pública – como de costume para todos – e se aproximou do menino Braguinha, pedindo para que sua mãe tirasse as botas ortopédicas do garoto.

Braguinha começou a andar normalmente e ganhou uma bola de futebol, com a qual começou a brincar. Desde então foi curado e ainda se tornou jogador profissional de futebol.

Atualmente, Braguinha tem 68 anos e mora em Guaxupé (MG), onde é proprietário de uma padaria.

Objetos do padre estão no museu para visitação

O MUNICIPIO visitou Tambaú, o Santuário Nossa Senhora Aparecida e a casa onde morou o futuro beato, hoje um museu.

Um local de forte fé, onde pessoas deixam pedidos e até mesmo pertences em agradecimento ao sacerdote.

No museu ainda é possível encontrar a cama em que padre Donizetti dormia, aposentos simples, além de outros diversos objetos que ele usava.

Mais à frente, o visitante consegue entender um pouco o tamanho da fé pelo padre. São centenas de próteses e bengalas depositadas por pessoas que se dizem curadas – de deficiências – por intercessão dele.

História: museu abriga objetos que pertenceram ao padre – (Foto: Reinaldo Benedetti/O MUNICIPIO)

Fotografias são milhares, assim como objetos que representam algo ‘vencido’ com ajuda de padre Donizetti. Garrafas de bebidas alcoólicas e maços de cigarros são muitos, demonstrando que fiéis agradecem a cura destes vícios.

Ainda no museu, o visitante consegue encontrar fotos de padre Donizetti com visitantes ilustres, as vestes que ele usava e alguns objetos de milagres famosos que atribuem à intercessão do sacerdote, como as correntes do milagre relacionado à moça.

No final fica a loja oficial do Santuário, onde o fiel pode encontrar dezenas de artigos religiosos, como terços, água, óleo, quadros, escapulários, imagens, agendas e, em breve, a imagem de padre Donizetti.

No Santuário Nossa Senhora Aparecida, onde são celebradas as missas, estão os restos mortais do sacerdote. Trata-se de um local de forte devoção dos fiéis, que vão até o Santuário rezar em frente ao mausoléu.

Por Reinaldo Benedetti.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here