Neto de Pagu e Oswald de Andrade palestra na Academia

Por Daniela Prado
[email protected]

Quem admira literatura brasileira e uma boa gastronomia não pode perder o evento que a Academia de Letras de São João da Boa Vista (ALSJBV) irá realizar neste sábado (21), às 19h30, no Teatro Antonio Candido (Estação das Artes), à Praça Rui Barbosa, no Largo da Estação.

‘Petiscos poéticos e bocadas antropofágicas: cozinhando o Modernismo de Oswald de Andrade’ é o título desta palestra, proferida por ninguém menos que Rudá K. de Andrade, o neto de Pagu e Oswald de Andrade.

Rudá K. de Andrade: em seu livro, lembra que, ao redor da mesa, decide-se muitos assuntos (Divulgação/Tarsila Portella)

“Tive a oportunidade de conhecer o Rudá em dezembro do ano passado, quando ele esteve em São João para a inauguração do mural do Centro Cultural Pagu. Rudá, que, além de historiador, é neto de Pagu e Oswald de Andrade, lançou na ocasião seu livro ‘A arte de devorar o mundo: aventuras gastronômicas de Oswald de Andrade’. Ele conduziu um bate-papo muito consistente sobre a agitação cultural dos anos 20 e os bastidores dos primórdios do Modernismo. Nós, acadêmicos, o presenteamos com números da Revista Arca que continham matéria sobre sua avó Pagu e o levamos a conhecer a cidade. Convidá-lo para proferir uma palestra na Academia de Letras foi, pois, um movimento natural, que ele aceitou prontamente”, comentou Beatriz Castilho Pinto, presidente da Arcádia.

Dentre as razões especiais para a escolha deste palestrante, Beatriz destaca que a primeira delas é, sem dúvida, a bagagem intelectual de Rudá K. de Andrade.

“Além disso, é uma forma de celebrar o centenário da Semana de Arte Moderna e a figura de seu avô Oswald, que foi recentemente aclamado patrono da Cadeira 14 da Academia de Letras. É também uma maneira de homenagear sua avó Pagu, patronesse da Cadeira 36”, completou.

Convém lembrar que a palestra será apenas presencial, não havendo transmissão simultânea por nenhum canal da ALSJBV.

Em um bate-papo de WhatsApp, Rudá K. de Andrade atendeu à reportagem do O MUNICIPIO e falou sobre o que planeja apresentar na ocasião.

“Vamos falar sobre o meu livro, que é uma biografia culinária do Oswald de Andrade, meu avô. Biografia culinária porque eu perpasso as histórias de vida dele, aquilo que aconteceu no entorno da mesa. No caso dele, a ideia de que a Semana de 22 foi organizada em volta das mesas, dos salões, dos banquetes, a antropofagia também nasce de um encontro gastronômico e além disso, várias referências sobre culinária ele coloca na literatura dele”, esclareceu K. de Andrade, lembrando que o próprio termo antropofagia é uma metáfora culinária.

No encontro, além de um pouco da história, será tratada a literatura pau-brasiliana – ocorrida a partir do manifesto Pau Brasil, que Oswald de Andrade escreveu em 1924 e ao qual seguiu-se o livro ‘Poesia Pau Brasil’, em 1925.

“Para mim, voltar para São João é sempre uma volta ao passado. Porque é onde eu encontro algumas histórias e lembranças que chegam até mim, da minha avó. Por intermédio de um prédio, de um edifício, de uma parede, de uma imagem, histórias que as pessoas contam, então, para mim, é sempre uma descoberta da minha própria história, da história da minha família. Por outro lado, ao mesmo tempo em que é uma viagem ao passado, também é uma viagem ao presente, porque eu encontro pessoas em São João lembrando de Pagu, cuidando de sua memória. É muito bonito e muito forte porque, mesmo as pessoas jovens de hoje, quando lembram de Pagu, estão lembrando da história de opressão, que é a história da nossa civilização, da relação homem e mulher, da questão de gênero, da questão de classes, da dificuldade e da desigualdade social. E fico muito feliz de encontrar pessoas jovens em São João buscando essa memória, trabalhando nela, para enfrentar questões do presente. É fabuloso e me enche o coração de alegria para voltar aí”, finalizou.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here