Cidadãos reivindicam lombada por causa do risco de acidentes

Por Pedro Souza e Ignácio Garcia

Alguns moradores e trabalhadores de empresas localizadas na rua Marechal Deodoro, no centro de São João, perto do Paço Municipal, reivindicaram que o Departamento Municipal de Segurança e Trânsito da Prefeitura instale uma lombada ou outro tipo de redutor de velocidade no início da via, por causa do constante risco de acidentes no local.

Em 4 setembro de 2020, uma idosa morreu na Santa Casa depois de ser atropelada por um motociclista, quase em frente ao Paço Municipal. Segundo o O MUNICIPIO apurou, outros acidentes, embora de menor gravidade, sempre ocorrem naquela rua.

Fatal: em setembro de 2020, idosa morreu após atropelamento (Arquivo/O MUNICIPIO)

Juliane Campos Giollo e Mateus Donizetti Gonçalves, encarregada e auxiliar de Departamento Pessoal, respectivamente, foram unânimes: “Precisa urgente de lombada! É uma questão de segurança, tanto para pedestres quanto para os próprios motoristas, sejam eles de moto ou de carro”, disseram.

Há alguns anos que trabalham juntos em um escritório que presta auditoria e consultoria para empresas que fica localizado na via e viram as vítimas do acidente de 2020, que resultou na morte da idosa. “E não tinha nem muito movimento, já que foi pela manhã.

Mas em horários de pico, é alta a velocidade das motos de alguns motociclistas que descem pela Marechal [rua]. Já houve outros acidentes, sem maior gravidade, mas o risco de que uma hora aconteça algum mais grave sempre há”, completou Gonçalves, que também é motociclista e recentemente foi vítima de uma colisão enquanto estava parado em um semáforo de outra via, na tarde de quinta-feira (7).

“Uma motorista colidiu na traseira da minha moto enquanto eu estava parado esperando o primeiro sinal da rua 14 de Julho abrir. Não tive danos na moto, acabei sendo jogado contra outro carro à frente e tive apenas escoriações em uma das pernas. Então, se isso acontece quando a gente está parado, imagine aqui nessa rua, onde os carros e motos descem ‘rasgando’?”, finalizou o auxiliar.

O casal Rodrigo e Simoni Ciacco mora em um prédio residencial na Marechal de Deodoro e também pede que algum dispositivo – lombada ou redutores de velocidade – fosse instalado. “Concordo super com isso! Por que? Porque tenho filho pequeno e quase já fomos atropelados na frente do prédio. E não foi só uma vez não; principalmente por motos, que são um horror e descem a rua em alta velocidade. Gostaríamos que a Prefeitura atendesse o pedido nos moradores e trabalhadores da rua”, afirmou o casal.

A recepcionista Michelle Crisler Marcelino trabalha já faz um tempo em um condomínio de apartamentos na rua Marechal Deodoro e, desde quando começou, diz ter presenciado vários acidentes. “E até acidentes bem graves, com vítima que veio a óbito em consequência da inconsequência desses irresponsáveis. O fluxo de veículos nessa rua tem aumentado muito – viram a esquina na maior velocidade; e principalmente motos, que descem acelerando ao máximo”, reclamou.

Michelle diz que já vinha pensando em ir pessoalmente à Prefeitura para falar a respeito, “se teria como colocar um quebra-molas [lombada] para amenizar um pouco, tanto os acidentes como a velocidade que os carros e motos descem por essa rua”.

Já Elaine Juliari, proprietária de uma escola de dança localizada na Marechal Deodoro, acredita que a instalação de uma lombada seria muito importante, principalmente por ser um local muito frequentado por crianças.

“É um problema sério que temos ali naquele trecho, a gente recebe muita criança do ballet, por isso seria muito viável a instalação de uma lombada, talvez assim o pessoal respeite um pouco mais”. E completou: “esses dias atrás ‘acabaram’ com a porta do carro de um pai de uma aluna ali na rua, e não foi apenas esse acidente, foram vários”.

“LOCAL NÃO COMPORTA LOMBADA”

Procurado pelo O MUNICIPIO, o Departamento Municipal de Segurança e Trânsito encaminhou nota sobre a possível instalação da lombada.

“Do ponto de vista técnico, o local não comporta a ondulação transversal [lombada]. No entanto, o Departamento de Segurança e Trânsito está estudando medidas de engenharia de tráfego para a mitigação de acidentes no local. De se informar, por oportuno, que já está em fase de licitação – ocasião em que soluções macros serão implementadas”, comunicou.

Em 2020, idosa morreu após ser atropelada em frente à Prefeitura

Há pouco menos de dois anos, uma idosa faleceu após ser atropelada por um motociclista que trafegava pela rua Marechal Deodoro, no sentido Centro-bairro, na manhã de 4 de setembro de 2020.

Conforme apurado pelo O MUNICIPIO à época, o acidente ocorreu por volta das 7h30, em frente ao Paço Municipal.

Naquela ocasião, equipes de resgate do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e do Corpo de Bombeiros foram acionadas e a vítima foi encaminhada à Santa Casa Dona Carolina Malheiros, porém não resistiu aos ferimentos.

Ainda no acidente, o motociclista caiu e bateu com a cabeça no chão, e também precisou ser encaminhado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), onde permaneceu em observação. De acordo com informações obtidas, ele estava falando frases desconexas e apresentando desorientação, não conseguindo distinguir onde estava e o que havia acontecido.

A Polícia Militar esteve no local e acompanhou a ocorrência, constatando que os documentos do veículo e do condutor estavam em ordem.

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. São João, a cidade dos quebra-molas. É impressionante que aqui, qualquer coisa, ah… taca um quebra-molas ali que resolve. Sem falar na indecência da tal da faixa de pedestres elevada. Era muito mais barato pintar a faixa normal no asfalto e rebaixar a calçada, mas alguém teve a idéia de gênio de fazer esse quebra-molas disfarçado e saiu socando pela cidade, e o pior, ao lado de quebra-mola já existente. A mobilidade de veículos já é uma m…a aqui na cidade, e cada vez colocam mais obstáculos nas ruas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here