Milton Ribeiro anuncia escola-modelo para São João da Boa Vista

Encontro: com aglomerações, ministro da Educação esteve com representantes de 60 cidades no Theatro Municipal (Bruno Manson/O MUNICIPIO)

Autoridades de 60 municípios participaram do encontro com o ministro da Educação, Milton Ribeiro, na manhã de sexta-feira (30), em São João da Boa Vista. O evento ocorreu nas dependências do Theatro Municipal e chamou atenção pela aglomeração que se formou – o que foi alvo de várias críticas nas redes sociais.

Assim que chegou ao município, a caravana do Ministério da Educação (MEC) foi recepcionada pela prefeita Maria Teresinha de Jesus Pedroza (DEM), a qual estava acompanhada do marido Vick Nholla (PTB) e do vice-prefeito Roberto Campos (REDE). No Gabinete, Ribeiro esteve com autoridades locais e participou de uma rápida coletiva com a imprensa.

Na ocasião, o ministro explicou que o encontro promovido tem como objetivo mostrar aos prefeitos e diretores/secretários de Educação quais são os novos modelos de equipamentos que o governo federal tem à disposição dos municípios para atender às escolas públicas. “O MEC é o terceiro maior orçamento da esplanada e tem recursos que não são propriamente do governo federal. Esses recursos são do povo brasileiro. E esses recursos podem ser transformados em escolas, quadras, ônibus, podem ser usados também em reformas e outras modalidades e equipamentos públicos”, afirmou.

 

QUESTIONADO

Durante a coletiva, Ribeiro foi questionado por um dos repórteres presentes sobre a possibilidade de se fazer este tipo de evento em formato virtual, com o intuito de se evitar aglomerações. “Isso foi pensado. Nós temos este cuidado”, disse o ministro. “Mas o local que a prefeita e sua equipe preparou, vai observar todos os protocolos de segurança”, completou.

 

ESCOLA-MODELO

Durante a visita, Teresinha afirmou que já solicitou a construção de uma escola-modelo para São João. O pedido foi entregue pessoalmente ao ministro, o que teria sinalizado que o município será contemplado.

 

MAIS AGLOMERAÇÕES

Após a coletiva, a comitiva se dirigiu ao Theatro Municipal, onde foi recebida pela Orquestra Jazz Sinfônica de São João da Boa Vista. Apesar dos protocolos adotados – como aferição de temperatura e uso de álcool em gel na entrada –, uma nova aglomeração se formou no hall de acesso, desta vez ainda maior.

Sem distanciamento: convidados lotaram hall de entrada do Theatro Municipal na sexta-feira (30) (Bruno Manson/O  MUNICIPIO)

REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO

Dando as boas-vindas aos presentes, Teresinha agradeceu a presença do ministro e demais autoridades presentes. Falou sobre as dificuldades impostas pela pandemia e sobre a importância dos investimentos na Educação para São João e região. “Hoje somos um polo de educação, onde temos 12 universidades em plena atuação por aqui, oferecendo cursos presenciais e a distância”.

A prefeita ainda relatou que São João se tornou referência no segmento educacional, pois é a cidade que mais recebe estudantes em diversos cursos universitários. Ao final, ela pediu a atenção do ministro para as necessidades de cada cidade participante do encontro. “Peço, em nome de todos os prefeitos aqui presentes, que vossa excelência, que é um homem cristão e temente a Deus, abrace carinhosamente os pedidos que serão apresentados para melhorar de São João da Boa Vista e região”, finalizou.

 

‘MISSÃO’

Durante seu discurso, Ribeiro falou sobre seu trabalho à frente do Ministério da Educação. Na ocasião, ele comentou sobre a responsabilidade de gerir a Pasta, uma das mais importantes do governo federal. “O orçamento do FNDE do ano passado foi R$ 55 bilhões. Em termos de MEC, o orçamento do ano passado foi de R$ 144 bilhões e mais algumas coisas (sic). Eu ordeno, por dia, despesas de R$ 480 milhões. Então, os senhores pensem na responsabilidade que tenho”, disse, dirigindo-se aos presentes.

Em meio a citações bíblicas, o ministro também declarou sua admiração pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e até relatou como ocorreu o convite para comandar o MEC, destacando que o foco de seu trabalho é ‘cuidar’ das crianças e da educação profissionalizante.

“Eu não aceito, por exemplo, ter um livro patrocinado pelo governo brasileiro para discutir questões de gênero, por exemplo – que eu acho que é pertinente sim, mas no momento certo –, para crianças de 6 a 10 anos. Eu não admito isso”, afirmou. “Eu respeito à orientação pessoal de cada um. Quem sou eu para ditar regras aos outros? Mas nós temos que preservar a inocência de nossas crianças”, complementou o ministro, destacando que o Tribunal de Contas da União (TCU) deu parecer favorável ao MEC para retirar este tema de assuntos para os alunos desta faixa etária.

 

ATENDIMENTO

O encontro ainda contou com a presença do assessor especial Odimar Barreto dos Santos, e também do presidente do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Lopes da Ponte, que trouxe sua equipe técnica para atender os representantes das cidades presentes ao final do evento.

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Pois é… pros grandões, tá liberado a vucu-vuco, aglomeração, mas deixa um pobre mortal fazer uma festinha com 15 em sua propria casa que se bobear aparece até o papa lá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here