Bem vindo
Notice: Undefined index: usuarioNome in /home/omunici/public_html/view/topo.php on line 39

Sair


Esqueci minha senha






Artigos :: 2017-05-08 -14:03:00

Humanamente Possível


A insistência com que a expressão “Inteligência Artificial” vem aparecendo em publicações de todos os tipos denuncia a relevância do tema ao mesmo tempo em que revela certa ansiedade diante da possibilidade da mente humana ser substituída pela máquina. A preocupação chega a tomar proporções alarmantes quando conhecemos o conceito de “transumanismo”, um movimento intelectual que visa transformar a condição humana através do desenvolvimento de tecnologias disponíveis para aumentar nossas capacidades intelectuais, físicas e psicológicas. Uma das possibilidades estudadas por esse movimento é implantar computadores em nosso corpo, para que possamos fazer coisas como adquirir conhecimento, potencializar nossa força e catapultar nossa sobrevivência para um patamar semidivino.

Quanto de ficção e quanto de realidade essas previsões carregam, só o tempo irá dizer, mas algo que parece inevitável, já no curto prazo, é a substituição do trabalho humano pela ação das máquinas em atividades repetitivas. Físicas ou mentais. E quanto mais isso acontecer, mais serão valorizados aqueles que se refugiarem nas qualidades que guardam laços indissolúveis com nossa humanidade mais profunda, como por exemplo, a criatividade! Não tenho dúvida de que uma máquina consiga hoje reproduzir um quadro de Monet à perfeição. Aposto que em alguns anos um computador será capaz de criar do zero uma bela obra impressionista. Mas não acredito que algum dia, qualquer equipamento embarcado com a tecnologia mais poderosa, possa chegar perto de propor um novo movimento artístico como o Impressionismo. A ambição e a capacidade de desejar e sonhar para criar a partir do espaço vazio é algo que, em minha opinião, nasce apenas de entidades habitadas por almas, o que quer que essa palavra signifique para você.

Talvez, então, o caminho não seja tentar enfrentar, questionar ou frear as máquinas, mas ser cada vez mais aquilo que nenhuma delas jamais poderá ser: humana.