Bem vindo
Notice: Undefined index: usuarioNome in /home/omunici/public_html/view/topo.php on line 39

Sair


Esqueci minha senha






Artigos :: 2017-03-08 -08:47:00

Deus está morto


A frase, é de autoria de um dos mais populares filósofos, mas cuja obra poucos conhecem de verdade. Lembro-me do tempo de estudante em que ao dar azo à ironia da juventude, usava uma camiseta que trazia a inscrição: “Deus está morto – ass: Nietzsche” e, nas costas: “Nietzsche está morto – ass: Deus”. Divertia-me os olhares de reprovação por quem me via de frente. Nem sempre as pessoas se lembram que moedas têm dois lados – de qualquer forma, mesmo para os que se lembram, o valor continua sendo um só – mais ou menos como a ideia de Deus, embora Joseph Campbell afirme que ele usa muitas máscaras. Nietzsche declarou essa morte há 135 anos, deixando uma boa dor de cabeça a estudantes de filosofia e uma frase conhecida até mesmo por aqueles que nunca abriram o livro Gaia a Ciência onde ela aparece pela primeira vez. Lembro-me da dificuldade de acesso aos seus escritos por aqui, como se houvesse uma espécie de censura velada. Só conheci sua obra completa ao estudar no exterior no final dos anos 70. Numa viagem entre França e Bélgica concebi uma das minhas primeiras peças literárias ‘Os Deuses da Terra’ baseada em Assim Falou Zaratustra que, posteriormente (1982), foi coreografada por Zeza Freitas sendo nosso primeiro trabalho de autoria conjunta. O tema central era o processo evolutivo imbricado na frase “o homem é uma corda atada entre o animal e o além-do-homem; uma corda sobre um abismo”. Em Nietzsche o Além-do-homem é o arquétipo do Super-homem (Übermensch), aquele que nasceria para ser capaz de lidar com o vazio existencial deixado pela morte de Deus. Ele temia o niilismo que poderia levar à derrocada humana. Apostava na criação do significado da vida por aqueles que a vivem, embora considerasse isso um objetivo distante, inalcançável para a maioria dos seres humanos. O Super-homem (Übermensch) que ele queria ver sobre a face da Terra seria capaz de dar significado para a vida por si só e, finalmente, compreenderia que era o único responsável pelas próprias escolhas.